• Jardim de Homenagem ao Poiarense

  • Capital Universal da Chanfana

Pin It

13 jan1

Funcionários agraciados, Medalhas de Mérito e Medalha de Honra atribuída a Prof.ª Dr.ªAna Abrunhosa

Os 122 anos da restauração definitiva do concelho foram assinalados com pompa e circunstância, na presença da Ministra da Coesão Territorial,Prof.ª Ana Abrunhosa, que presidiu às cerimónias.

Recebida nos Paços do Concelho com guarda de honra pelos Bombeiros Voluntários de Vila Nova de Poiares e pela Filarmónica Fraternidade Poiarense, a Ministra da Coesão Territorial saudou as várias entidades locais e regionais representadas que fizeram questão de participar nestas comemorações, assinou o livro de honra e rumou depois ao CCP, para a Sessão Solene, juntando-se ao muito público presente que rapidamente encheu o Salão de Congressos.

A sessão teve início com a intervenção do Presidente da Assembleia Municipal, Nuno Lima Fernandes, que brindou os presentes com uma ‘aula de história’ sobre a freguesia de Lavegadas.

Seguiu-se a atribuição de medalhas de bons serviços prestados aos trabalhadores do Município que perfizeram 15 e 25 anos de serviço. Foram ainda homenageadas algumas personalidades e entidades do concelho que se destacaram em diversas áreas, com a atribuição de medalhas de mérito municipal - grau ouro, nomeadamente à Associação “2mãos4patas” (área associativismo), António Queimadela Baptista(área da Saúde), ao Gabriel Matos(área da Cultura) e Sara Duarte(área da Investigação e Saúde).

Nesta cerimónia, foi ainda entregue a Medalha de Honra do Município, que pela primeira vez foi atribuída à pessoa que preside às Cerimónias, no caso, a Prof.ª Dr.ª Ana Abrunhosa, por todo o trabalho de proximidade, empenho e competência desenvolvido enquanto presidente da CCDRC e pelo apoio prestado na recuperação das habitações e infraestruturas afetadas pelo trágico incêndio de outubro de 2017.

Presidente alertou Governo para as necessidades urgentes nas acessibilidades
Aproveitando a presença de um membro do Governo e ex-presidente da CCDRC, que conhece bem a região e as suas dificuldades em matéria de acessibilidades, o Presidente da Câmara Municipal apelou à governante que se associe a esta causa e que «possa ajudar a resolver este grande problema que está claramente a limitar o desenvolvimento deste concelho e deste território», referiu.

«É uma reivindicação há tento tempo adiada que apenas reclama um tratamento de justiça e de equidade com os demais territórios e regiões do País», acrescentou o presidente do município, sublinhando que «a ligação da A13 ao IP3, por um percurso geograficamente desenhado a sul do rio Mondego, além de viável económica e financeiramente, contribuiria não só para reduzir os atuais problemas do IP3 como, sobretudo, traria novas soluções para este território, contribuindo para atenuar os atuais efeitos do isolamento criados pela interioridade e pela baixa densidade».

Em resposta ao apelo lançado, a governante afirmou que a solução reclamada faz parte do PNI 2030 e garantiu «que o IP3 será reaberto nos dois sentidos antes do final do mês de janeiro» e que terá, enquanto ministra, a mesma postura de proximidade aos autarcas para «fazer no país o que fiz no Centro, andar no terreno», que permite um conhecimento mais profundo das dificuldades do desenvolvimento regional.

Inaugurações das estruturas recuperadas
Terminada a sessão solene, o tempo foi de inauguração das obras de recuperação das estruturas afetadas pelos incêndios, nomeadamente a área de restauração e bar do complexo das Piscinas da Fraga e o Parque das Medas, para além do novo Centro de Recolha Oficial de Animais (canil municipal) e ainda o Centro de Convívio de Sabouga, que finalmente ficou concluido e colocado ao serviço da população, complementado com uma justa homenagem a Orlando Fonseca Luís.

Houve ainda lugar para o tradicional almoço integrado na Semana da Chanfana, com a presença de várias entidades locais, regionais e nacionais, contribuindo para a divulgação da excelência gastronómica do concelho, e o programa oficial do Feriado Municipal terminou com a reposição da peça de teatro “O Pedro e o Lobo”, apresentada pela Companhia de Teatro Experimental de Poiares.